Bem Vindo!

Seja bem vindo(a) ao blog oficial da Escola Bíblica Dominical da Igreja Evangélica Assembleia de Deus em Curitiba. Sua participação e interação através deste blog é muito importante para o nosso trabalho. Deus abençoe!

Escola Bíblica Dominical

Escola Bíblica Dominical
Coordenador Geral Ev. Jorge Augusto

Grande Caravana

terça-feira, 15 de agosto de 2017

9º Congresso Nacional de Escola Dominical

GRANDE CARAVANA
Saindo de Curitiba




Subsídio LIÇÃO Nº 8 – A IGREJA DE CRISTO

Adultos - A razão da nossa fé: assim cremos, assim vivemos
COMENTARISTA: ESEQUIAS SOARES DA SILVA
COMENTÁRIO: EV. CARAMURU AFONSO FRANCISCO

LIÇÃO Nº 8 – A IGREJA DE CRISTO

ESBOÇO Nº 8
CREMOS
(…)
8. Na Igreja, que é o corpo de Cristo, coluna e firmeza da verdade, uma, santa e universal assembleia dos fiéis remidos de todas as eras e todos os lugares, chamados do mundo pelo Espírito Santo para seguir a Cristo e adorar a Deus (I Co.12:27; Jo.4:23; I Tm.3:15; Hb.12:23; Ap.22:17).
INTRODUÇÃO,/p>
- Após o pecado ter dominado a humanidade, Deus executou o plano já existente antes da fundação do mundo para propiciar a salvação do homem perdido, plano este que encontrou seu clímax na encarnação do Deus Filho, que morreu por nós na cruz do Calvário. Depois da morte e ressurreição de Cristo, revela-se o mistério de Cristo(Ef.3:1-6): a Igreja.
- A Igreja é o novo povo de Deus, o povo formado por judeus e gentios que, pelo sangue de Cristo, passam a ter comunhão com Deus, perdoados que estão dos seus pecados, um povo espiritual, assim como o seu Senhor, um povo destinado a se reunir aos santos do passado para povoar a Nova Jerusalém, a Jerusalém celeste, onde se reeditará a comunhão eterna e perfeita que havia entre Deus e a humanidade antes que o pecado entrasse no mundo (Ap.21:3).
I – CONCEITOS DE IGREJA E SUA ORIGEM
- Após termos estudado a respeito da salvação, passaremos a ver o que a Bíblia nos ensina sobre a realidade da humanidade após a consumação da obra da salvação. As Escrituras revelam-nos que, com a vitória de Cristo sobre a morte e o inferno, forma-se um povo diferente, especial, zeloso e de boas obras, a saber, a Igreja.
- A palavra “igreja” surge, pela vez primeira, nas Escrituras, no evangelho segundo Mateus (Mt.16:18), quando é declarada pelo próprio Jesus que, assim, revela o “mistério de Cristo”, como o apóstolo Paulo chamou a “igreja” na epístola aos efésios. É a palavra grega “ekklesia” (εκκλησια), cujo significado é “reunidos para fora”, “chamados para fora”. A palavra “ekklesia”, porém, já havia sido utilizada na Versão Grega do Antigo Testamento (a chamada Septuaginta) para traduzir a palavra hebraica “qahal”, que as nossas versões em língua portuguesa costumam registrar como “congregação”, nome pelo qual era conhecida a reunião do povo de Israel, principalmente no tempo da peregrinação no deserto, quando Moisés costumava chamar todo o povo para algumas reuniões solenes à frente do tabernáculo que, por isso mesmo, era denominada de “tenda da congregação” (Nm.10:1-3).
- Notamos, pois, de início, que a palavra “igreja” fala de uma “reunião”, ou seja, um grupo de pessoas. Igreja não é um indivíduo, não é uma pessoa solitária, mas, sim, um grupo de pessoas, um conjunto de pessoas. Desta forma, ficamos sabendo, já pela etimologia da palavra, que a salvação proporcionada por Jesus Cristo cria um novo grupo de pessoas, um novo povo. Não se pode, pois, biblicamente falando, ser salvo e permanecer isolado, solitário na vida sobre a face da Terra. Este novo povo, esta “igreja”, vem, portanto, realizar, concretizar aquilo que Israel, a “propriedade peculiar de Deus dentre todos os povos” (Ex.19:5,6) era apenas uma figura, um símbolo, uma sombra (Hb.10:1).

Para continuar lendo este artigo baixe o anexo no link abaixo.




Fonte: PORTAL ESCOLA DOMINICAL - EV. CARAMURU AFONSO FRANCISCO

Dinâmica Lição 08: A Igreja de Cristo


Dinâmica: O Boneco

Objetivo: Refletir sobre o trabalho em equipe e a importância da unidade e comunhão no Corpo de Cristo.

Material:
Para o grupo 01: 01 folha de papel ofício e coleção de lápis colorido.

Para o grupo 02: 04 tesouras, 02 tubos de cola, 11 lápis coloridos e 11 folhas de papel ofício, estando escrito nelas as seguintes indicações para desenhar, conforme descrição abaixo:
Folha 01: Cabeça
Folha 02: Pescoço
Folha 03: Tronco (humano)
Folha 04: Braço direito
Folha 05: Braço esquerdo
Folha 06: Mão direita
Folha 07: Mão esquerda
Folha 08: Perna direita
Folha 09: Perna esquerda
Folha 10: Pé direito
Folha 11: Pé esquerdo

Procedimento:
1- Dividam a turma em dois grupos e forneçam as seguintes orientações:
Para o grupo 01:
- Desenhar um boneco, utilizando uma folha de papel ofício e uma coleção de lápis colorido, mas trabalhando em equipe. Para isso, esta atividade deverá ser executada sem que as pessoas do grupo 02 vejam o que está sendo desenvolvido.
Para o grupo 02(com 11 pessoas):
- Cada componente desenhará uma parte do boneco, individualmente, sem que os colegas vejam, para isso é recomendado que os membros deste grupo estejam separados.
- Montar o boneco, recortando as partes desenhadas e colando-as.
2 – Peçam ao grupo 01 e 02 para apresentar os dois bonecos.
3 – Solicitem para que observem o resultado de cada grupo.
O grupo 01 tem um boneco com partes proporcionais e uniformes. O grupo 02, embora apresentem um boneco com as características semelhantes ao boneco 01, tem um resultado disforme, desorganizado e desproporcional.
Perguntem: Por que são diferentes?
O Grupo 01 tem um resultado melhor porque trabalharam em equipe, houve unidade para o desenvolvimento do trabalho.
O Grupo 02 tem um mau resultado porque não trabalharam com união, não trabalharam de forma coletiva.
Quais conclusões podemos extrair dessa dinâmica para nossa vida cristã? Falem da importância da unidade e a comunhão que deve haver no Corpo de Cristo.
4 – Para concluir, leiam: I co 12. 12 e 27; Sl 133.01; Fp 2. 1 a 5.
Ideia original desconhecida.
Esta versão da dinâmica por Sulamita Macedo.
 Texto de Reflexão
Sermão Silencioso
Que importância tem a nossa comunhão com a Igreja local? Deixe-me responder a esta pergunta com uma história.
Um pastor estava preocupado com a ausência de um homem que normalmente vinha aos cultos. Depois de algumas semanas, ele decidiu visitá-lo. Quando o pastor chegou à casa deste homem, ele o encontrou sozinho, sentado diante de uma lareira. O pastor puxou uma cadeira e se sentou ao lado do homem. Mas depois de sua saudação inicial, ele não disse mais nada.
Os ficaram sentados em silêncio por alguns minutos, enquanto o pastor olhava para as chamas na lareira. Então pegou as pinças e tomou cuidadosamente uma brasa acesa das chamas e a colocou de lado. Sentou-se de volta na sua cadeira, ainda em silêncio. O seu anfitrião observou em reflexão silenciosa como a brasa começou a tremular e se pagou. Pouco depois, estava fria e sem vida.

O pastor olhou no seu relógio e disse que tinha que ir embora, mas antes disso pegou a brasa fria e a colocou de volta no fogo. Imediatamente, ela começou a luzir novamente com a luz e o calor do carvão aceso ao seu redor.
Quando o pastor se levantou para sair, o homem também se levantou e lhe deu um aperto de mão. Então, com um sorriso no seu rosto, ele disse: “Obrigado pelo sermão, pastor. Eu vejo o senhor na Igreja, no domingo”.


Autoria do texto: David Roper

fonte:http://atitudedeaprendiz.blogspot.com.br/

quinta-feira, 10 de agosto de 2017

Subsídio Lição 7 - A necessidade do novo nascimento

Adultos - A razão da nossa fé: assim cremos, assim vivemos
COMENTARISTA: ESEQUIAS SOARES DA SILVA
COMENTÁRIO: EV. CARAMURU AFONSO FRANCISCO

LIÇÃO Nº 7 – A NECESSIDADE DO NOVO NASCIMENTO

ESBOÇO Nº 7
CREMOS
(…)
Na necessidade absoluta do novo nascimento pela graça de Deus mediante a fé em Jesus Cristo e pelo poder atuante do Espírito Santo e da Palavra de Deus para tornar o homem aceito no Reino dos Céus (Jo.3:3-8; Ef.2:8,9).
7. No perdão dos pecados, na salvação plena e na justificação pela fé no sacrifício efetuado por Jesus Cristo em nosso favor (At.10:43; Rm.10:13; 3:24-26; Hb.7:25; 5:9).

INTRODUÇÃO
- Na lição passada, vimos que o pecado havia, de modo inevitável e invencível, separado o homem de Deus. Diante desta triste realidade, nada poderia o homem fazer. Mas, antes que o homem se desesperasse, ainda no dia da queda, Deus lhe revela que, como é um ser presciente, já havia elaborado um plano para que o homem pudesse retornar ao seu estado original de comunhão com Deus.
- O item 5 do nosso Cremos já prenuncia como se dá esta salvação, ao dizer que a fé na obra expiatória e redentora de Jesus Cristo pode restaurar o homem a Deus, o que é concluído nos itens 6 e 7, que nos mostram que, para ser salvo, é preciso nascer de novo pela graça de Deus, mediante a fé em Jesus Cristo, que permite o perdão dos nossos pecados.

I – A ORIGEM DA SALVAÇÃO ESTÁ EM DEUS
- Na lição anterior, vimos que o homem, ao se envolver com o pecado, entrou em um verdadeiro “beco sem saída”. Ao pecar, tornou-se servo do pecado (Jo.8:34), dominado totalmente por ele (Gn.4:7), sem condição alguma de modificar esta situação.
- Entretanto, a história não terminou com esta tragédia. Bem ao contrário, a Bíblia Sagrada nos ensina que, mesmo antes da fundação do mundo, dentro de Sua presciência, Deus já havia elaborado um plano para retirar o homem desta situação tão delicada (Ef.1:4; Ap.13:8). Este plano, já existente mesmo antes da criação do mundo, foi revelado ao homem no dia mesmo de sua queda, quando o Senhor anunciou que haveria de surgir alguém da semente da mulher que esmagaria a cabeça da serpente e tornaria a criar inimizade entre o homem e o mal e, consequentemente, amizade, comunhão entre Deus e o homem (Gn.3:15). Vemos, pois, claramente, que a salvação é algo que sua origem em Deus, que o homem não poderia, por si só, alcançar meios para restaurar a sua comunhão original com o seu Criador. Deus, pelo Seu grande amor, providenciou um plano para trazer o homem de volta ao convívio com Ele.

Para continuar lendo este artigo baixe o anexo no link abaixo.



Dinâmica Lição 07: A necessidade do Novo Nascimento


Dinâmica: Nasci de novo

Objetivo: Refletir sobre a transformação que ocorre na vida daquele que recebe a salvação.

Material:
01 porção de milho de pipoca
01 porção de pipoca
Alguns piruás(grãos que não estouraram)
01 porção de óleo
01 cópia do texto “Milho de pipoca”(ver no procedimento)

Procedimento:
- Trabalhem sobre o tema da transformação que ocorre na vida da pessoa que passa pelo Novo Nascimento.
- Apresentem para os alunos uma porção de milho de pipoca e outra de pipoca.
- Perguntem: Vocês fazem ideia o que acontece com o milho para que ele se transforme em pipoca?
Aguardem as respostas. Certamente os alunos vão falar que após colocar o milho numa panela com óleo e com ação do fogo os grãos estouram.
- Falem: Este processo de transformação do grão duro em pipoca macia pode ser comparado ao estado de mudança que ocorre na vida de quem goza da salvação, libertando da casca dura do pecado, que o aprisionava para uma vida de alegria na presença de Deus, com ações e pensamentos mudados.
- Distribuam o texto “Milho de Pipoca” para cada aluno e leiam.

Milho de Pipoca

             Milho de pipoca que não passa pelo fogo continua a ser milho para sempre. Assim acontece com a gente. As grandes transformações acontecem quando passamos pelo fogo. Quem não passa pelo fogo, fica do mesmo jeito a vida inteira. São pessoas de uma mesmice e de uma dureza assombrosas. Só que elas não percebem e acham que seu jeito de ser é melhor. Mas, de repente, vem o fogo.
            O fogo é quando a vida nos lança numa situação que nunca imaginamos: a dor. Pode ser fogo de fora: perder um amor, um filho, o pai, a mãe, o emprego ou ficar pobre. Pode ser o fogo de dentro: pânico, medo, depressão ou sofrimento, cujas causas ignoramos.
Há sempre o recurso do remédio: apagar o fogo! Sem fogo, o sofrimento diminui. Com isso, a possibilidade da grande transformação também. Imagino que a pobre pipoca, dentro da panela fechada, cada vez mais quente, pense que chegou a sua hora: vai morrer.
            Dentro da sua casca dura, fechada em si mesma, não pode imaginar um destino diferente para si. Não pode imaginar a transformação que está sendo preparada para ela. A pipoca não imagina aquilo do que é capaz.
Aí, sem aviso prévio, pelo poder do fogo, a grande transformação acontece: BUM! E ela aparece como outra coisa completamente diferente, algo que nunca havia sonhado.
            Bom, mas ainda temos o piruá, que é o milho de pipoca que se recusa a estourar. São como aquelas pessoas que, por mais que o fogo esquente, recusam-se a mudar. A presunção e o medo são a casa dura do milho que não estoura.  No entanto, o destino delas é triste, já que ficarão duras a vida inteira. Não vão se transformar na flor branca, macia e nutritiva. Não vão dar alegria a ninguém.
Autoria do texto: Rubem Alves.
- Depois, apresentem o piruá, aquele grão que não estourou.
- Falem: Este grão é semelhante as pessoas que não aceitam a salvação e, dessa forma, não passam pelo processo de transformação.
- Agora, falem sobre:
O óleo e o fogo, símbolos do Espírito Santo, podem representar a atuação dEle na vida da pessoa que recebe a salvação.
O barulho pode representar a alegria da transformação.
- Para concluir, leiam o versículo abaixo e falem que ele enfatiza as novas atitudes e pensamentos que devem pautar a vida daquele que passa pelo Novo Nascimento.
“Quanto ao mais, irmãos, tudo o que é verdadeiro, tudo o que é honesto, tudo o que é justo, tudo o que é puro, tudo o que é amável, tudo o que é de boa fama, se há alguma virtude, e se há algum louvor, nisso pensai” (Fp 4:8).


Por Sulamita Macedo.
fonte: http://atitudedeaprendiz.blogspot.com.br/

quarta-feira, 2 de agosto de 2017

Subsídio Lição 6 - A pecaminosidade humana e a sua restauração a Deus

SEGUNDO TRIMESTRE DE 2017
Adultos - A RAZÃO DA NOSSA FÉ: assim cremos, assim vivemos
COMENTARISTA: ESEQUIAS SOARES DA SILVA

COMENTÁRIO: EV. CARAMURU AFONSO FRANCISCO

ESBOÇO Nº 6

CREMOS
(…)
5. Na pecaminosidade do homem, que o destituiu da glória de Deus e que somente o arrependimento e a fé na obra expiatória e redentora de Jesus Cristo podem restaurá-lo a Deus (Rm;3:23; At.3:19).

INTRODUÇÃO
- Na sequência do estudo da Declaração de Fé da CGADB, analisaremos hoje o item 5, que cuida, a um só tempo, de duas doutrinas bíblicas, a doutrina do homem e a doutrina do pecado, ainda anunciando a doutrina da salvação, que será tratada no item seguinte da Declaração de Fé.
- O pecado surgiu do mau uso da liberdade de escolha dado por Deus tanto a homens quanto a anjos. Ao querer ter uma vida independente de Deus, o querubim ungido fez surgir o primeiro pecado (Ez.28:15). Também, ao ter o mesmo desejo, o primeiro casal fez ingressar o pecado na humanidade (Gn.3; Rm.5:12).

I – A ORIGEM DO HOMEM
- A Bíblia traz ensino a respeito do homem, pois, como temos visto ao longo deste trimestre, é a revelação divina ao homem. Destarte, não só fala a Bíblia do seu autor, que é Deus, como também nos ensina a respeito do homem, o destinatário desta mensagem. O ensino bíblico a respeito do homem, aliás, é o mais autorizado, pois se trata da revelação da parte de quem criou o homem e nada melhor do que o autor para falar a respeito de sua obra. Não surpreende, portanto, que os homens, ao tentarem explicar quem são, tenham chegado à conclusão do filósofo e médico francês Alexis Carrel (1873-1944, Prêmio Nobel de Medicina de 1912) que, ao escrever a respeito do assunto, acabou intitulando seu livro de “O que é o homem, esse desconhecido”. Realmente, sem a revelação divina, não há como sabermos quem é o homem, mesmo que tenhamos conquistado o Prêmio Nobel, visto que só Deus, que fez o homem, tem condições de nos revelar quem é esta criatura que Ele, com tanto zelo, fez surgir.


Para continuar lendo este artigo baixe o anexo no link abaixo.




Dinâmica Lição 06: A pecaminosidade humana e sua restauração a Deus


Dinâmica: O Caminho

Objetivo: Demonstrar a religação do homem com Deus, através do sacrifício de Jesus.

Material:
4 folhas de papel ofício
Cola branca
Pincel atômico
Durex colorido(vermelho)

Procedimento:
- Colem 4 folhas de papel ofício, formando um caminho e escreva, em um lado, o versículo: “Mas agora em Cristo Jesus , vós, que antes estáveis longe, já pelo sangue de Cristo chegastes perto” (Efésios 2.13).
- Apresentem para os alunos este caminho sem mostrar o versículo, dizendo que o homem tinha livre acesso a Deus, porém este caminho foi destruído por causa do pecado; nesse momento, rasguem o caminho.
- Entregue os pedaços para os alunos e peçam para que eles colem as partes, com durex colorido vermelho. Ao terminarem, falem que somente através do sangue de Jesus o caminho pode ser restaurado, através do sacrifício de Cristo na cruz.
- Então, apresentem o lado do caminho que contém o versículo(Ef 2.13) para que todos possam ler. Concluam, lendo João 14.06.
Ideia original desconhecida.


Esta versão da dinâmica por Sulamita Macedo.
fonte: http://atitudedeaprendiz.blogspot.com.br/