Bem Vindo!

Seja bem vindo(a) ao blog oficial da Escola Bíblica Dominical da Igreja Evangélica Assembleia de Deus em Curitiba. Sua participação e interação através deste blog é muito importante para o nosso trabalho. Deus abençoe!

Escola Bíblica Dominical

Escola Bíblica Dominical
Coordenador Geral Ev. Jorge Augusto

terça-feira, 6 de dezembro de 2016

Lição 11: O socorro de Deus para livrar o seu povo (Adultos)


Dinâmica: Promessa de Deus

Objetivos:
Refletir sobre o cumprimento das promessas divinas.
Renovar a esperança e a fé nas promessas de Deus.

Material:
01 folha de papel ofício dividida ao meio por um traço e caneta para cada aluno.

Procedimento:
- Perguntem o que significa a palavra “Promessa”.
Segundo o Dicionário Michaelis é  “1. Ato ou efeito de prometer. 2 Declaração pela qual alguém se obriga, pela fidelidade e pela justiça, a fazer ou deixar de fazer alguma coisa”. Há outros significados.
- Falem acerca da importância do cumprimento das promessas a nível terreno. Também reflitam sobre do incômodo causado quando há falhas nas promessas e o estado de felicidade promovido por uma promessa cumprida.
Vocês já passaram por alguma dessas situações?
Vocês ocasionaram ou foram vítima?
- Agora, afirmem: O ser humano é falho, mas Deus não falha em suas promessas.
Leiam Nm 23.19: “Deus não é homem, para que minta; nem filho do homem, para que se arrependa; porventura diria ele, e não o faria? Ou falaria, e não o confirmaria?”
- Falem: 
Vocês têm esperado por muito tempo por uma ou mais promessas divinas para sua vida?
Vocês encontram-se desencorajados? Sem fé? Sem forças? Calma!
Lembrem-se do que Deus já fez por vocês!
- Entreguem uma folha de papel ofício para cada aluno divida ao meio por um traço.
- Solicitem aos alunos que escrevam do lado esquerdo as promessas que ainda não foram cumpridas.
- Falem: Lembrem-se do que Deus já fez por você! Façam do lado direito da folha, uma lista das situações que Ele cuidou e providenciou socorro para você! Observem o quanto Deus já fez por vocês. Firmem-se em Suas promessas!
- Concluam, lendo:
“O Senhor não retarda a sua promessa, ainda que alguns a têm por tardia...”(2 Pedro 3:9a).
“Os que confiam no SENHOR serão como o monte de Sião, que não se abala, mas permanece para sempre”(Salmo 125:1).
Por Sulamita Macedo.
Texto Pedagógico

Não faça drama!
Saiba como utilizar a dramatização como instrumento de aprendizagem na EBD

            A dramatização como instrumento de aprendizagem consiste na representação de um fato, uma história através da atuação dos alunos como “atores”, com o objetivo de promover o ensino e aprendizagem, através da expressão simbólica.
            A dramatização, no espaço educativo da EBD, é possível, mas é necessário atentar para alguns pontos, como a realidade do ambiente de realização da EBD, o tempo de aula, a habilidade do professor e dos alunos e a escolha de um texto adequado com o tema da aula.
A utilização da dramatização na Escola Dominical deve ser breve, sem muitos detalhes, como cenários, figurinos e outros objetos que compõem a cena, tendo em vista o ambiente da aula, pois normalmente é realizada dentro do templo. Mas, se desejar utilizar outro local disponível da igreja, é interessante reservar este espaço com o superintendente com antecedência.
Levando em consideração o tempo de aula que normalmente gira em torno de 60 minutos, uma encenação deve ter no máximo 10 minutos, para que depois haja tempo suficiente para a explanação do tema em estudo, que foi introduzido pela dramatização. Esta também pode ser utilizada no final da aula, para a conclusão de um tema.
Outro fator importante é habilidade do professor para organizar a dramatização de forma simples. Para isto ele precisa saber o que deseja realizar com os alunos de forma planejada, escolher a dramatização adequada para o tema, convencer os alunos a participar e deixar claro que na atividade cênica não deve ser observada a atuação perfeita dos “atores”, mas a representação de papéis dentro de um contexto narrativo, objetivando a facilitação do ensino e da aprendizagem na aula da EBD.
É interessante que ao escolher um texto para dramatizar, o professor observe quem são os personagens, quais as falas de cada uma delas, fazer cópias do texto já organizado para dramatização para cada pessoa envolvida na representação, tanto para os atores como para os figurantes, o narrador(se houver necessidade), para que todos saibam o momento de sua fala, o tempo de permanecer ou sair da cena; é importante também observar quais objetos poderão ser utilizados na dramatização e a arrumação do ambiente.
As vantagens do uso deste método de ensino são várias, tais como: desenvolvimento da comunicação, da linguagem oral e corporal, da socialização, da integração, da motivação, da participação, além é claro da aprendizagem através do processo representativo, favorecendo a análise da situação dramatizada.
As desvantagens também aparecem, como em todo método de ensino: os alunos inibidos podem não querer participar, mas devem ser estimulados; a ambientação da EBD não favorece a dramatização de forma mais específica, mas veja as possibilidades de uso já citadas acima.
            A dramatização deve ser entendida como um instrumento didático de ensino, pois se apresenta como uma forma de analisar um tema, promovendo e resgatando a participação dos alunos tanto na representação, como também no momento de estudo do tema.
            Então, que tal utilizar a dramatização nas aulas de EBD?


Por Sulamita Macedo.

sexta-feira, 2 de dezembro de 2016

Lição 10: Adorando a Deus em meio a calamidade (Adultos)

Lembrem-se de que ao trabalhar o conteúdo da lição, vocês devem oportunizar a participação do aluno, envolvendo-o através de exemplos e situações próprias de sua idade. Dessa forma, vocês estão contextualizando o tema com a vida do aluno, além de promover uma aprendizagem mais significativa.
- Para o item I, utilizem mapa para apresentar a divisão do reino de Israel, em Norte e Sul.
- Para o estudo do item 3 da lição, dividam a turma em 03 grupos.
Cada grupo fica com um sub-tópico desse item. Eles devem ler em grupo e em seguida apresentam para a turma.
Quer saber mais como utilizar o método de Divisão em Grupos? Leiam o texto pedagógico Método de Divisão em Grupos nas aulas da EBD(postado abaixo).
- Para finalizar, utilizem a dinâmica “A Chave”.
Tenham uma excelente e produtiva aula!
Sugestão para a conclusão do 4º.trimestre/2016: Roda de conversa
Organizar os alunos em círculo, se possível.
Fazer uma pequena retrospectiva do Deus de toda provisão na vida dos personagens estudados nas lições
Pedir para os alunos falarem como Deus tem sido o provedor em suas vidas e família.

Dinâmica: A Chave
Objetivo: Refletir sobre a importância e a eficácia da oração.
Material:
01 chave de metal ou confeccionada de cartolina com tamanho ampliado.
Procedimento:
- Perguntem aos alunos: Para que serve uma chave?
Aguardem as respostas. Normalmente, apenas é mencionado o ato de abrir, porém não se esqueçam que também a chave é utilizada para fechar.
- Falem que a oração pode ser comparada a uma chave.
- Perguntem: O que a oração pode abrir ou fechar?
Exemplos:
Abrir: Salvação, emprego, aprovação num concurso, solução de um problema etc.
Fechar: livramentos (acidentes, assaltos), orações que não estão de acordo com a vontade de Deus etc.
- Solicitem aos alunos que apontem dois exemplos do Antigo Testamento de orações que representam o ABRIR e FECHAR e também mencionar situações vivenciadas por eles.
- Para finalizar, leiam II Cr 7.14:
“E se o meu povo, que se chama pelo meu nome, se humilhar, e orar, e buscar a minha face e se converter dos seus maus caminhos, então eu ouvirei dos céus, e perdoarei os seus pecados, e sararei a sua terra”.
Por Sulamita Macedo.

Texto Pedagógico

Método de Divisão em Grupos nas aulas da EBD

            O Método de Divisão em grupos, como o próprio nome sugere, consiste na divisão da totalidade dos alunos em pequenos grupos, com objetivos definidos para estudo de um tema ou uma atividade, sob a orientação de um professor ou um líder, com apresentação de resultados.
            Este método possibilita a participação, a comunicação, estimula a troca de ideias, pessoas tímidas se sentem mais encorajadas para falar e propicia a capacidade de liderança.
            Alguns cuidados na utilização deste método precisam ser observados, como: o assunto principal pode ser desviado, daí a necessidade de uma liderança firme e habilidosa; há ainda, a possibilidade de uma pessoa dominar a discussão, deixando de lado os demais componentes sem participação; quando não há conhecimento do tema, as contribuições dos grupos podem ser limitadas, dessa forma é interessante uma boa orientação do professor para este tipo de trabalho.   
        
         Os desafios para a utilização deste método, nas aulas da Escola Dominical, aparecem devido a estrutura da EBD, na qual a maioria das aulas acontecem dentro do templo e  a organização das classes é feita por agrupamento em bancos de madeira, pesados e difíceis de serem arrastados. Mesmo assim, há formas de fazê-lo, veja quais as possibilidades:
- Dividir a turma por proximidade, isto é, os grupos são formados por alunos que estão próximos, sem mexer nos bancos etc.
- Solicitar o uso de uma sala ou outro espaço que porventura a igreja disponibilize para aulas da EBD; então, é interessante um agendamento prévio com o superintendente, para que seja reservado este ambiente, como também realizar a permuta de local, caso alguma turma utilize costumeiramente aquele espaço.
            Durante o trabalho em grupo é interessante, que o professor passe em cada grupo, tirando dúvidas e observando o direcionamento da atividade. Dividir os alunos em grupos não significa momento de descanso para o professor, a atenção deve ser redobrada, tanto no momento da atividade em si, como na apresentação.
No momento da apresentação, permaneça diante da turma, ao lado dos alunos de cada grupo. Dessa forma, você estará dando suporte emocional aos que estão nervosos e sendo assim eles se sentirão mais seguros. Observe o que está sendo dito, acrescente outras informações e corrija se necessário.
Geralmente, quando o professor pede que formem grupos, a tendência natural é que os alunos se agrupem com aqueles que mais conversam e têm mais interação. Mas, a divisão dos alunos pode ser feita de forma criativa, dependendo do que você deseja alcançar; se você procura também promover socialização, veja algumas dicas:
- Distribua recortes de cartolina de cores diferentes de acordo com o número de grupos que você deseja formar; observe a quantidade de alunos, veja a quantidade de grupos que podem ser formados e o número de elementos do grupo, separe a quantidade de cores; distribua aleatoriamente e solicite que os alunos se grupem pela cor.
            - Há ainda uma variação, usando cores diferentes: colocar o pedaço de cartolina colorida nas costas dos alunos, com fita adesiva, sem que eles vejam a cor. Depois, peça para que se agrupem de acordo com a cor que está nas costas. A princípio, eles vão estranhar, pois não estão vendo sua cor, mas observem as saídas que eles encontrarão, sempre tem alguém que toma a iniciativa e pergunta qual a cor que ele tem nas costas e também coopera com o colega falando a cor dele. Então, o agrupamento acontecerá através do ato colaborativo entre eles.
            - Outra maneira de dividir os alunos em grupos é feita com a utilização de números, que podem ser distribuídos para os alunos para que formem grupos que tenham a mesma numeração ou, ainda, colocar o número nas costas, tendo o mesmo procedimento já descrito no parágrafo anterior.
            - Utilizar quebra-cabeças para dividir os alunos em grupos também é possível; para isto, escolha figuras, cole numa cartolina e no verso trace linhas para formar o quebra-cabeça e recorte; a quantidade de peças do quebra-cabeça dependerá da quantidade de componentes que você deseja para cada grupo. Antes de formar os grupos, misture as peças de todos os quebra-cabeças e oriente os alunos para que procurem outros colegas que tenham peças referentes a uma mesma figura e monte o quebra-cabeça.
Após a organização dos grupos, perguntem aos alunos o que acharam da forma para a divisão deles em grupos, reflita sobre a importância da integração entre eles e comece a atividade proposta. É interessante ter controle sobre o tempo da atividade, então estipule o tempo que durará a tarefa e no processo fiquem lembrando aos alunos sobre o tempo já decorrido ou o que ainda dispõem.
Para o resultado da atividade grupal, o tempo também deve ser bem controlado. Há diferentes formas de apresentação, podendo ser escolhida apenas uma pessoa do grupo para isto, ou todos do grupo apresentam uma parte, com uso apenas da voz ou com algum material disponibilizado(cartolina, pincel atômico etc) ou se deixar a critério deles, formas criativas vão aparecer, como esquete, música, poema, mímica etc.
Agregar o método de Divisão em grupos à aula expositiva é uma forma de dinamizar o ensino e proporcionar a participação dos discentes no processo de aprendizagem. Utilizá-lo na EBD é possível, observe e coloque em prática as orientações aqui expostas.


Por Sulamita Macedo.

terça-feira, 22 de novembro de 2016

Lição 09: O milagre está em sua casa (Adultos)


Dinâmica: O Que Você tem em Suas Mãos?

Objetivo: Refletir sobre as armas que usamos quando estamos em batalha e como agimos diante das lutas.

Material:
Metade de uma folha de papel ofício para cada aluno

Procedimento:
- Entreguem para os alunos a metade de uma folha de papel ofício e peçam para que façam o contorno de uma das suas mãos.
- Perguntem:
O que você tem suas mãos como instrumento de batalha e como tem se portado na luta?
Ou o que você possui?
- Antes que os alunos respondam, apresentem o que estes personagens bíblicos possuíam para a luta.
Moisés tinha uma vara
Rei Jeoás tinha em suas mãos um arco e flecha
Davi tinha uma funda e 05 pedrinhas
Jacó tinha um cajado
Sansão tinha a queixada de um jumento
O menino tinha 02 pães e 05 peixes
Raabe tinha um cordão um fio de escarlata
A viúva endividada tinha uma botija de azeite e vasos emprestados
E você o que tem em suas mãos?
- Peçam para que eles escrevam dentro da mão quais as atitudes e as formas de luta ou de defesa diante das dificuldades que eles estão usando, podendo ainda acrescentar nomes de pessoas que ajudam em oração e conselhos.
- Solicitem para que os alunos socializem o que escreveram, de forma objetiva.
Por Sulamita Macedo.
Texto Pedagógico

A utilização de Recursos Visuais na EBD

            A todo o momento recebemos estímulos visuais e também auditivos que objetivam chamar nossa atenção, para determinados fins.
            Na Educação Cristã, os recursos visuais são também fonte de motivação para o ensino, tanto para crianças como para adultos.
            Mas, o que são recursos visuais? Entende-se que são imagens que facilitam a aprendizagem, que podem ser simples ou mesmo sofisticadas, tecnológicas ou não, por exemplo: gravuras, objetos, mapas, cartazes, slides, filmes  etc.
            Vejamos, então algumas vantagens de sua utilização:
            - Desperta a atenção
            - Estimula o interesse e a percepção
            - Torna a aprendizagem mais rápida
            - Aumenta a retenção da aprendizagem
            - Motiva a apresentação e o aluno
            - Torna a aula mais atrativa
            Sabendo dessas vantagens, o professor deve utilizar, sempre que possível, os recurso visuais, nas aulas da EBD, agregando também outras formas de facilitação da aprendizagem, conforme sua criatividade e condições.
            Há uma pesquisa, muito difundida no meio educacional, que aponta o percentual de retenção da aprendizagem de acordo os sentidos envolvidos no ensino:
            O aluno aprende:
20% do que ouve
30% do que vê
50% do que vê e ouve
70% do que ouve, vê e fala
90% do que ouve, vê, fala e faz
            Observem que quando apenas ouvimos durante a aula, retemos apenas 20% do que foi falado. Mas, o percentual aumenta para 50% quando, além da fala, há elementos visuais. E vai aumentando quando participamos, refletimos e praticamos. Então, quanto mais sentidos envolvidos na aprendizagem mais eficaz ela será!
            Então, professor, além de sua fala, agregue outros recursos ao ensino, buscando a participação do aluno para que haja uma quebra da passividade do ouvinte durante a exposição do tema, tornando-o sujeito ativo do seu conhecimento. Com isto haverá uma mudança de paradigma da aula da EBD – aquela que comumente vemos: o professor falando e os alunos escutando... Para que na verdade isto aconteça é imprescindível uma tomada de consciência do professor como agente facilitador da aprendizagem.


Por Sulamita Macedo.

quarta-feira, 16 de novembro de 2016

Lição 08: Rute, Deus trabalha pela família (Adultos)


Dinâmica: Caminhando em Oração

Objetivos:
Compartilhar motivos de oração e agradecer as bênçãos recebidas.
Refletir como Deus tem trabalhado pela família dos alunos.

Material:
01 tapete
Rosas
Pedras grandes e pequenas
Versículos bíblicos sobre oração

Procedimento:
- Organizem o material da dinâmica, no meio da sala de aula da seguinte forma: tapete no chão, e sobre ele as rosas, as pedras e os versículos bíblicos.
- Expliquem o que cada objeto representa:
Tapete: caminho da vida cristã
Rosas: bênçãos recebidas
Pedras: as dificuldades que enfrentamos
Os versículos: a Palavra de Deus, na qual confiamos
- Peçam para que cada aluno passe pelo tapete e escolha dois objetos que representam o que ele está vivenciando, por exemplo:
Ele pode pegar uma pedra grande, por considerar o seu problema de difícil solução e ainda escolher um versículo, representando sua fé em Deus, que tudo pode.
Ele pode pegar uma pedra e uma rosa, o primeiro indica um problema que já teve e o segundo a vitória já alcançada.
- Para finalizar, façam uma oração de intercessão pelas dificuldades apresentadas e agradeçam pelas bênçãos já alcançadas.
 Observações:
- Se sua classe funcionar dentro da Igreja e não houver outro espaço para realizar a dinâmica com o material já descrito, sugiro que utilize figuras de pedras e de rosas, coloque-as dentro de uma cesta, acrescentando os versículos. E mesmo sentados, passem a cesta e façam o mesmo procedimento anterior.
Ideia original desconhecida.
Esta versão da dinâmica por Sulamita Macedo.
Texto de Reflexão
O Peso da Balança

             Uma pobre mulher, com visível ar de derrota estampando no rosto, entra em um armazém, aproxima-se do proprietário – conhecido por seu jeito grosseiro - e pede que lhe venda fiado alguns mantimentos.
            Ela explica que o marido está muito doente e não pode trabalhar e que tem sete filhos para alimentar. O comerciante, com ar de desdém, pede que se retire.
            No entanto, a necessidade da família fala mais alto, e ela implora:
            - Por favor, senhor, juro que lhe pago quando tiver dinheiro!
            Insensível, o homem responde que ali ela não tem crédito.
            Em pé, no balcão ao lado, um freguês, que havia ouvido a conversa, aproxima-se do dono e pede que, por sua conta, dê a ela tudo de que precisa.
            Meio relutante, o comerciante pergunta à mulher:
            - Você tem uma lista de mantimentos?
            - Sim, ela responde.
            - Muito bem, coloque-a na balança e o quanto ela pesar, você receberá em alimentos!
            Humilhada, hesita por uns instantes e, com a cabeça curvada, retira da bolsa um pedaço de papel, escreve alguma coisa e o deposita suavemente na balança. Os três ficam admirados quando o prato que continha o papel desce ao máximo e assim permanece.
            Pasmo com o marcador, o dono do armazém vira-se lentamente para o freguês e comenta, contrariado:
            -Não posso acreditar!
            O freguês sorri e o homem começa a colocar os mantimentos no outro prato. Como a balança não se equilibra, ele continua colocando mantimentos até não caber mais nada. Então, fica ali parado olhando para o equipamento, tentando entender o que teria acontecido...
            Finalmente, ele pega o papel e fica ainda mais espantado ao constatar que, em vez da lista, havia apenas uma oração: “Meu Senhor, Tu conheces todas as minhas necessidades e eu as coloco em Tuas mãos.”
            O homem entrega a mercadoria no mais completo silêncio. A mulher agradece e sai.
Autoria do texto desconhecida.

Texto Pedagógico

Aprimoramento do professor

            Ensinar na Escola Bíblica Dominical requer do professor aprimoramento constante. De acordo com o dicionário, “aprimorar” é melhorar a qualidade, aperfeiçoar. Para isto, é necessário vontade, esforço e administração do tempo.
            A Palavra de Deus adverte: “Procura apresentar-te a Deus aprovado, como obreiro que não tem de que se envergonhar, que maneja bem a palavra da verdade”(II Timóteo 2:15).
            Duas palavras chamam a atenção neste versículo: “procura” e “aprovado”. Procurar por algo, requer esforço e tempo. O professor da EBD deve destinar tempo para buscar subsídios para que se aprimore e possa ser julgado como obreiro aprovado, por Aquele que lhe vocacionou. Ser aprovado está relacionado a ter passado por uma análise e ter sido considerado aceitável, ter obtido aprovação.
            Outro ponto para o aprimoramento é a dedicação que o docente deve ter para que ensine de forma que a aprendizagem seja mais significativa para os alunos.
            Observe estes alguns exemplos de personagens bíblicos que passaram por aprimoramento na sua função ou profissão:
            Os sidônios são mencionados como aqueles que sabiam cortar madeira de forma que eram reconhecidos por este feito:
             “Dá ordem, pois, agora, que do Líbano me cortem cedros, e os meus servos estarão com os teus servos, e eu te darei o salário dos teus servos, conforme a tudo o que disseres; porque bem sabes tu que entre nós ninguém há que saiba cortar a madeira como os sidônios”(I Reis 5:6 – grifo nosso).
            O professor de Escola Dominical pode também ser reconhecido por seus alunos como um excelente professor, que sabe ensinar como ninguém, porque busca o aprimoramento.
            Setecentos homens canhotos, filhos de Benjamim, escolhidos, se destacaram por atirar com uma funda em um cabelo e não erravam:
“E contaram-se naquele dia os filhos de Benjamim, das cidades, vinte e seis mil homens que tiravam a espada, afora os moradores de Gibeá, de que se contaram setecentos homens escolhidos. Entre todo este povo havia setecentos homens escolhidos, canhotos, os quais atiravam com a funda uma pedra em um cabelo, e não erravam”(Juízes 20:15,16 – grifo nosso).
Treinar os escolhidos, os chamados para obra do ensino cristão, trará grandes resultados para o crescimento da obra de Deus. Quando isto acontece a probabilidade de acontecer ações inadequadas, por parte do professor,  são pequenas.
Hirão, da cidade de Tiro, foi convidado pelo rei Salomão para realizar uma obra em cobre, pelo fato de ter sabedoria, entendimento e ciência neste ramo:
“E enviou o rei Salomão um mensageiro e mandou trazer a Hirão de Tiro. Era ele filho de uma mulher viúva, da tribo de Naftali, e fora seu pai um homem de Tiro, que trabalhava em cobre; e era cheio de sabedoria, e de entendimento, e de ciência para fazer toda a obra de cobre; este veio ao rei Salomão, e fez toda a sua obra”(I Reis 7:13,14 – grifo nosso).
Observa-se que Hirão destacou-se por saber fazer com conhecimento e prática, que certamente aprendeu com seu pai. É, pois, um exemplo para os professores da EBD, que devem buscar informação, transformá-lo em conhecimento e transmiti-lo com sabedoria. A prática docente requer esta atitude.
Bezalel foi escolhido, chamado por Deus, cheio do Espírito de Deus, de sabedoria, de entendimento, de ciência para elaborar projetos, e trabalhar em ouro, em prata, e em cobre, e em lapidar pedras para engastar, e em entalhes de madeira:
“Depois falou o SENHOR a Moisés, dizendo: Eis que eu tenho chamado por nome a Bezalel, o filho de Uri, filho de Hur, da tribo de Judá, e o enchi do Espírito de Deus, de sabedoria, e de entendimento, e de ciência, em todo o lavor, para elaborar projetos, e trabalhar em ouro, em prata, e em cobre, e em lapidar pedras para engastar, e em entalhes de madeira, para trabalhar em todo o lavor. E eis que eu tenho posto com ele a Aoliabe, o filho de Aisamaque, da tribo de Dã, e tenho dado sabedoria ao coração de todos aqueles que são hábeis, para que façam tudo o que te tenho ordenado”(Êxodo 31:1-6).
O Espírito Santo de Deus também pode capacitar os professores da EBD no ensino da Palavra, enchendo-lhes de sabedoria e entendimento para ministrar de forma adequada.
Apolo é mencionado como aquele que era eloquente, poderoso nas escrituras, fervoroso de espírito, falava e ensinava de forma cuidadosa:
“E chegou a Éfeso um certo judeu chamado Apolo, natural de Alexandria, homem eloquente e poderoso nas Escrituras. Este era instruído no caminho do Senhor e, fervoroso de espírito, falava e ensinava diligentemente as coisas do Senhor, conhecendo somente o batismo de João”(Atos 18:24,25).
Ensinar de forma diligente deve ser algo que todo professor deve buscar, para que seja apto na função que exerce, com dedicação para o crescimento do reino de Deus, não correndo o risco de ser considerado desqualificado por Deus. Vale ainda acrescentar que o personagem bíblico Apolo traz um exemplo espiritual para o professor, pois ele era fervoroso de espírito, instruído no caminho do Senhor.
Aprimorar-se requer do professor preparo espiritual, teológico, secular e pedagógico. Que tal espelhar-se nos exemplos dos personagens bíblicos citados?


Por Sulamita Macedo.

sexta-feira, 11 de novembro de 2016

Lição 07: José: Fé em meio às Injustiças (Adultos)


Dinâmica: Semente da Fé

Objetivos:
Entender o que significa a expressão “Se tiveres fé como um grão de mostarda”.
Refletir sobre a fé.    

  Material:
01 envelope de sementes da mostarda.
Observações:
 - Vocês poderão encontrar as sementes de mostarda em supermercados e em lojas que vendem produtos agrícolas.
- A semente de mostarda é muito pequena e fácil de perdê-la. Então, para entregá-la aos alunos, coloque-a num pedaço de durex transparente, passando por cima dela outro pedaço de durex.

Procedimento:
- Leiam com os alunos: Lc 17. 05 e 06
“Disseram então os apóstolos ao Senhor: Acrescenta-nos a fé. E disse o Senhor: Se tivésseis fé como um grão de mostarda, diríeis a esta amoreira: Desarraiga-te daqui e planta-te no mar; e ela vos obedecerá”.
- Entreguem para cada aluno uma semente da mostarda e solicitem que a observem.
- Comentem que o versículo fala que a fé não é do tamanho da semente, mas como a semente. Não devemos observar a pequenez da semente, porém a dimensão do que ela pode produzir.
- Leiam: Mc 4.31 e 32.
“É como um grão de mostarda, que quando se semeia na terra é a menor de todas as sementes que há na terra; mas tendo sido semeada, cresce e faz-se a maior de todas as hortaliças, e cria grandes ramos, de tal maneira que as aves do céu podem aninhar-se debaixo da sua sombra”.
- Falem: Para que a semente germine, cresça, ela deverá ser plantada em solo fértil. Nossa fé cresce em comunhão com o Senhor e guardando Sua palavra.
- Para concluir, leiam o texto “Plante a Semente no Lugar Certo”.
À beira do caminho estavam duas sementes de alface à espera de que um vento as levasse para a horta, que ficava muito distante dali, a fim de germinarem. Logo à frente existia um lindo pomar, com grandes árvores frutíferas. Disse uma das sementes: “Eu não vou esperar o vento me levar. Vou ficar aqui mesmo, neste pomar”.
E assim, para ficar no meio das grandes árvores frutíferas, desistiu de unir-se às hortaliças. Porém as sombras das árvores não permitiram que o sol aquecesse aquela pequena semente que, por isso, nunca chegou as germinar.
A outra semente, no entanto, com paciência esperava o vento levá-la até a horta.  Assim, depois de um tempo, conseguiu chegar ao seu destino. Lá o sol era abundante e ela logo germinou, tornando-se um lindo pé de alface.
Plantemos a semente da fé em terreno fértil, para que possa germinar em tempo oportuno.
Autoria do Texto desconhecida.
Dinâmica elaborada por Sulamita Macedo.
Texto Pedagógico

Método de Ensino: Estudo de Caso

Estudo de Caso é um método de ensino que tem sido utilizado em diversas áreas do conhecimento, por ter se revelado extremamente útil para estudo de um assunto, através da análise de um fato ou situação-problema. Na Educação Cristã, também há possibilidades de utilização.
O Estudo de Caso consiste na apresentação de um problema, análise e apresentação de soluções. A situação-problema apresentada, mesmo sendo um recorte da realidade, deve fazer parte de um contexto maior, apresentando pontos similares com outros fatos; é importante ressaltar que o caso deve ser bem elaborado, contendo detalhes e pontos relevantes, para que possa ser utilizado a contento em situação de ensino e aprendizagem.
Observem este exemplo de Estudo de Caso para trabalhar com professores:
“Trim... Trim.... Trim... Trim...Trim. Insistentemente toca o despertador.
O professor da EBD, Fulano de Tal, com um olho aberto e outro fechado, olha para o relógio. São 8:00 horas. Ele se lembra que é domingo, pula da cama e observa no agendamento feito com os colegas professores  que hoje é seu dia de  ensinar. Começa a procurar a revista de lições bíblicas, olha qual o assunto e pensa: Vai ser moleza! E chega à Igreja pontualmente às 9:30 horas”.
Após a apresentação, procede-se com a análise do caso. Neste exemplo, embora apresente uma situação hipotética, há elementos reais que acontecem com os professores, que devem ser analisados, tais como: planejamento pessoal, plano de aula, organização de tempo, pontualidade, assiduidade, compromisso etc.
Este método de ensino pode ser apresentado de diversas formas:
- Oralmente: o professor ler para o grupo a situação-problema de forma que haja compreensão e possibilidade de prosseguir na investigação do caso, sem que seja necessária sua repetição por mais de duas vezes.
- Por escrito: o professor escreve a situação-problema em uma cartolina ou entrega digitada para os alunos ou mesmo apresenta através de slides.
- Através da contação de história: o professor deve ler de forma que haja entendimento do que se quer analisar. É importante que a história não seja longa.
- Apresentação de um filme: é importante a escolha de um trecho do filme, tendo em vista o tempo de aula; se o filme for curto, então há condições de exibi-lo em sua totalidade.
- Encenação: antes da apresentação, procure passar o texto com os “atores”.
- Reportagem ou documentário: neste caso pode ser escrito ou oral, observe então as orientações para apresentação dessas duas formas, como também as indicações de utilização de filme, apontadas acima.
- Através de foto: o professor deverá apresentar a foto e lançar uma pergunta.
- Apresentação da situação-problema para o grande grupo: o caso será apresentado de forma única e analisado por todos, requerendo do professor habilidade de liderança, não deixando que o tema seja desviado. As soluções apresentadas deverão ser escritas num quadro, cartolina ou outro meio visível para todos do grupo.
- Apresentação da situação-problema para fracionamentos de um grupo: o grupo deverá, neste caso, ser dividido em pequenos grupos para analisar o caso. Aqui também é importante o controle do tempo e liderança habilidosa, tanto no momento da análise do caso, como na apresentação de cada grupo.
É recomendável utilizar o Estudo de Caso antes da discussão de um tema a ser estudado, dessa forma possibilitará a diversidade de elementos para estudo, como também apontará caminhos e direção para o aprofundamento do assunto.
O Método Estudo de Caso pode ser agregado à aula expositiva, possibilitando a participação do aluno. Então, que tal utilizá-lo na EBD?


Por Sulamita Macedo.

quinta-feira, 3 de novembro de 2016

Lição 06: Deus: o nosso provedor (Adultos)

 Lembrem-se de que ao trabalhar o conteúdo da lição, vocês devem oportunizar a participação do aluno, envolvendo-o através de exemplos e situações próprias de sua idade. Dessa forma, vocês estão contextualizando o tema com a vida do aluno, além de promover uma aprendizagem mais significativa.
Apresentem um mapa semelhante a este abaixo para mostrar as localidades que percorreu Isaque, como: Gerar, Egito...


Para saber como utilizar mapas, leiam o texto pedagógico “A utilização de mapas nas aulas da EBD”(postado abaixo).
- Para concluir, utilizem a dinâmica “Na Fornalha”.
Tenham uma excelente e produtiva aula!
Dinâmica: Na Fornalha
Objetivo: Refletir e reconhecer que nas dificuldades Jesus está conosco.
Material:
01 caixa de palitos de fósforos(tipo longo).
Procedimento:
- Leiam Daniel 3. 12, 15, 17, 19, 20, 21, 24, 25, 27.
- Solicitem que os alunos acompanhem  em suas Bíblias a leitura citada.
- Falem: Lemos o relato sobre 03 jovens judeus que foram jogados na fornalha, mas neste momento de extrema dificuldade tiveram a companhia do 4º. Homem(Deus), que estava com eles, guardando-os na fornalha e não da fornalha.
Há momentos que também nos sentimos como se estivéssemos na fornalha, Jesus não nos prometeu ausência de problemas, mas que estaria conosco, conforme lemos em João 16.33 e Mateus 28.20b.
- Solicitem agora para que alguns alunos contem uma situação difícil, que eles sentiram como se estivessem na fornalha. Para tanto, peçam para que os alunos risquem o fósforo e, enquanto a chama estiver acesa, contem qual foi o problema e a solução e como se sentiu amparado por Jesus. Caso a chama se apague antes do aluno terminar o relato, deixe que ele conclua.
Dessa forma, isto é, com o fósforo aceso, o aluno deverá ter mais objetividade no relato e o fogo se apresenta como um símbolo de ter estado na fornalha da aflição.
- Ao término de cada relato, leiam Isaías 48.10b “...Provei-te na fornalha da aflição”.
- Para concluir, façam uma oração pelos alunos que estão passando por problemas, isto é, estão na fornalha da aflição.
Por Sulamita Macedo.
Texto de Reflexão
O Galão de Leite
          Eram aproximadamente 22 horas quando um jovem começou a se dirigir para casa. Sentado no seu carro, ele começou a pedir:
          - Deus! Se ainda falas com as pessoas, fale comigo. Eu irei ouvi-lo. Farei tudo para obedecê-lo.
          Enquanto dirigia pela rua principal da cidade, ele teve um pensamento muito estranho:
          - Pare e compre um galão de leite.
          Ele balançou a cabeça e falou alto:
          - Deus? É o Senhor?
Ele não obteve resposta e continuou dirigindo-se para casa. Porém, novamente, surgiu o pensamento:
          - Compre um galão de leite. Muito bem, Deus! No caso de ser o Senhor, eu comprarei o leite.
          O jovem parou, comprou o leite e reiniciou o caminho de casa. Quando ele passava pela sétima rua, novamente ele sentiu um pedido:
         - Vire naquela rua.
        Isso é loucura, pensou ele e passou direto pelo retorno. Novamente ele sentiu que deveria ter virado na sétima rua. No retorno seguinte, ele virou e dirigiu-se a sétima rua. Meio brincalhão ele falou alto
        - Muito bem, Deus. Eu farei.
       Ele passou por algumas quadras quando de repente sentiu que devia parar. Ele brecou e olhou em volta. Era uma área mista de comércio e residência.  Os estabelecimentos estavam fechados e a maioria das casas estava escura,  as pessoas já tinham  ido dormir, exceto uma do outro lado que estava acesa. Novamente, ele sentiu algo:
        - Vá e dê o leite para as pessoas que estão naquela casa do outro lado da rua.
        O jovem olhou a casa. Ele começou a abrir a porta do carro, mas voltou a sentar-se.            
        - Senhor, isso é loucura. Como posso ir para uma casa estranha no meio da noite?
        Mais uma vez, ele sentiu que deveria ir e dar o leite. Finalmente, ele abriu a porta...
        - Muito Bem, Deus, se é o Senhor, eu irei e entregarei o leite àquelas pessoas. Se o Senhor quer que eu pareça uma pessoa louca, muito bem. Eu quero ser obediente. Acho que isso vai contar para alguma coisa, contudo, se eles não responderem imediatamente, eu vou embora daqui. Ele atravessou a rua e tocou a campainha. Ele pode ouvir um barulho vindo de dentro, parecido com o choro de uma criança. A voz de um homem soou alto:
        - Quem está aí? O que você quer?
         A porta abriu-se antes que o jovem pudesse fugir. Em pé, estava um homem vestido de jeans e camiseta. Ele tinha um olhar estranho e não parecia feliz em ver um desconhecido em pé na sua soleira.
          - O que é?
          O jovem entregou-lhe o galão de leite e disse:
          - Comprei isto para vocês.
          O homem pegou o leite e correu para dentro falando alto. Depois, uma mulher passou pelo corredor carregando o leite e foi para a cozinha. O homem a seguia segurando nos braços uma criança que chorava. Lágrimas corriam pela face do homem e ele começou a falar, meio soluçando:
          - Nós oramos... Tínhamos muitas contas para pagar este mês e o nosso dinheiro havia acabado. Não tínhamos mais leite para o nosso bebê. Apenas orei e pedi a Deus que me mostrasse uma maneira de conseguir leite.
          Sua esposa gritou lá da cozinha:
          - Pedi a Deus para mandar um anjo com um pouco de leite... Você é um anjo?
          O jovem pegou a sua carteira e tirou todo dinheiro que havia nela e colocou-o na mão do homem. Ele voltou-se e foi para o carro, enquanto as lágrimas corriam pela sua face. Ele teve certeza que Deus responde as orações.
Autoria desconhecida.

Texto Pedagógico

A utilização de mapas nas aulas da EBD

Os mapas são representações do espaço geográfico, geralmente planos, e também de aspectos históricos e servem de ferramenta de ensino para contextualizar o tema em estudo, promovendo facilitação no processo de ensino e aprendizagem.
A utilização de mapas nas aulas da EBD é importante quando há necessidade de apresentar cidades, localidades específicas ou fatos ocorridos nestes locais, tornando a apresentação documentada, atraindo a atenção dos alunos e aumentando a retenção do tema em estudo.
Como utilizá-los? Vejam algumas sugestões:
1 - Apresentar um mapa e apontar para o local que você deseja mostrar para os alunos, utilizando uma caneta ou um apontador específico. A caneta servirá apenas para apontar e não para riscar, lembrem-se de que os mapas precisam ser bem utilizados para que possam ser usados muitas vezes.
Exemplo:
Apontar para o rio Jordão e falar: foi neste rio que Jesus foi batizado.
Apontar para o deserto da Judéia e falar: após o batismo, ele foi para o deserto da Judéia, onde foi tentando por 40 dias.
Apontar para a Galiléia e falar: Ele voltou para a Galiléia e iniciou seu ministério.
2 - Colocar um mapa sobre uma mesa ou no piso da sala.
Organizem os alunos ao redor do mapa.
Falem o nome de uma cidade e peçam para que os alunos apontem no mapa.
Exemplo: Procurar a cidade de Filipos, falar das características da cidade e informar que hoje neste local se situa a Turquia.
3 - Montar um mapa no piso da sala, antes dos alunos chegarem para a aula. Como assim? Isto mesmo, para isto vocês precisarão de durex colorido, o mapa pequeno que servirá de referência e nomes de cidades digitados.
Vejam como fazer, observando este exemplo:
Colocar no piso o nome do Mar Morto e fazer um desenho dele semelhante ao do mapa com durex azul.
Colocar no piso o nome do Lago de Tiberíades e fazer um desenho dele semelhante ao do mapa com durex azul.
Fazer a ligação entre o Mar Morto e o Lago com durex azul e colocar o nome rio Jordão.
Colocar o nome da cidade de Nazaré perto do Lago de Tiberíades(Mar da Galiléia) e o nome da Cidade de Belém próximo ao Mar Morto(orientem-se pelo mapa).
Com o durex colorido vermelho, unir as cidades de Belém a Nazaré( local do nascimento de Jesus e a cidade onde foi criado), demonstrando deslocamento.
Aproveitar este mapa e trabalhar outros pontos da vida de Jesus, como seu batismo no Rio Jordão, lugares por onde Jesus passava e ensinava, como também o lugar da crucificação e ressurreição.
4 - Colocar no piso da sala figuras grandes de pé direito e esquerdo, formando um caminho.
Exemplo: Trabalhar acerca dos fatos sobre Jesus, utilizando o caminho formado pelos pés, com nomes das principais cidades ou milagres, observando um mapa.
5 – Apresentar mapa utilizando Power Point, para isto é interessante local adequado e os equipamentos necessários e saber como utilizá-los.
          Alguns cuidados que devem ser observados com os mapas:
Os mapas devem ser bem guardados, de preferência numa pasta; os que são grandes, normalmente são dobrados e para que não se desgastem nas dobras, é recomendável passar um durex transparente largo na parte posterior do mapa.  Há mapas que são organizados em álbuns espiralados e para uma boa conservação é necessário colocá-los numa pasta grande.
Que tal escolher uma destas formas de uso de mapa na próxima oportunidade, nas aulas da Escola Bíblica Dominical?


Por Sulamita Macedo.